IDEOLOGIAS POLÍTICAS


SOCIALISMO

TOTALISTARISMO: FASCISMO E NACIONAL-SOCIALISMO (NAZISMO)

Socialismo Utópico
Em síntese, o "socialismo utópico" pode ser definido como um conjunto de ideias que se caracterizaram pela crítica ao capitalismo, muitas vezes ingênua e inconsistente, buscando, ao mesmo tempo, a igualdade entre os indivíduos. Em linhas gerais, combate-se a propriedade privada dos meios de produção como única alternativa para se atingir tal fim.
Principais pensadores do socialismo utópico
Charles Fourier
Pierre Leroux
Robert Owen - Fundou diversas cidades no Canadá, nas quais a distribuição de terra era de acordo com a sua obra, a propriedade pertencia ao Estado e todos trabalhavam para ele, e tinham providas suas necessidades por ele.

Socialismo Científico
O Socialismo Científico foi criado por Karl Marx e Friedrich Hegel, quando estes desenvolveram a teoria socialista, partindo da análise crítica e científica do próprio capitalismo, em reação contrária as ideias espiritualistas, românticas, superficiais e ingênuas dos utópicos.
Principais Pensadores do Socialismo Científico
Karl Marx e Friedrich Hegel
TOTALITARISMO
É uma Concepção política que se mostra em franca oposição à doutrina do cidadão abstrato, do homem soberano, criada pelo liberalismo. A palavra foi criada por Mussolini em discurso proferido no dia 22 de junho de 1925.
CARACTERÍSTICAS
a.     Ideologia oficial;
b.     Sistema de partido único dirigido por um líder;
c.     Controle policial da manifestação política exercido pelo Estado;
d.     Concentração dos meios de propaganda do Estado;
e.     Concentração dos meios militares;
f.      Direção estatal da economia.
FASCISMO
O fascismo é um regime autoritário de extrema-direita desenvolvida por Benedito Mussolini, a partir de 1919 na Itália. O termo fascismo deriva de fascio, nome do grupo político que surgiu na Itália no fim do século XIX e começo do século XX. Para o fascismo, o principal problema é o do direito do Estado e do dever do indivíduo e das classes. Os direitos individuais não são mais que o reflexo dos direitos do Estado. A liberdade é uma concessão do estado.
Contexto Histórico
·         Fim da 1ª Guerra Mundial: problemas da nação italiana mobilizaram diferentes grupos políticos procurando resolução;
·         1920 – Greve Geral - 2 milhões de trabalhadores pararam ao mesmo tempo em que os camponeses exigiam reforma agrária;
·         27/10/1922 - MARCHA SOBRE ROMA – manifestação fascista que exigia que o rei Vitor Emanuel II passasse o poder para o Partido Nacional Fascista. Mussolini compôs o novo governo;
·         1924 – Representantes políticos fascistas ganharam a maioria no parlamento, mas foram acusados de fraude no processo eleitoral. O socialista Giacomo Matteotti foi brutalmente assassinado por partidários fascistas, em resposta às acusações;
·         1927 e 1934: milhares de civis foram mortos, presos ou deportados. Os órgãos de imprensa foram fechados, partidos políticos (exceto fascista), foram colocados na ilegalidade;
·         Os fascistas, em 1923, passaram a desenvolver um programa de separação da igreja do estado, um exército nacional, um imposto progressivo, desenvolvimento de cooperativas e principalmente a república italiana;
·         O fascismo de certa forma era resultado de um sentimento geral de medo e ansiedade dentro da classe média do pós-guerra, que os esquerdistas tomassem o poder, devido convergências de pressões inter-relacionadas de ordem econômica, política e cultural.

Organização do Estado
Todo o poder concentrado no Dose, chefe do governo e do Partido Nacional Fascista. Mussolini era assistido pelo Grande Conselho Fascista, composto pelos principais chefes fascistas, órgão encarregado de coordenar toda a atividade do regime e nomear o chefe do governo.  O rei servia apenas para assinar alguns papéis e manter a tradição, fato que lhe valeu, sem dúvida, o apoio da população italiana e lhe possibilitou a realização pacífica de uma notável obra social econômica.  Criou-se o Estado totalitário, em que os membros do partido ocupavam todos os cargos estatais.
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS
·         Nacionalismo: exaltação do país italiano que coloca como país supremo em termos de desenvolvimento;
·         Cerceamento (cortar, restringir) da liberdade civil: pois se trata de um regime autoritário;
·         Uni partidarismo: o único partido permitido pelo governo era o próprio partido fascista
·         Derrota dos movimentos de esquerda;
·         Limitação ao direito dos empresários de administrar sua força de trabalho.
O Sistema Corporativo
O fascismo queria eliminar a luta de classes e para isso criou organizações econômicas chamadas Corpo- rações (corporações)  formadas de patrões e empregados de um mesmo setor, a fim de disciplinar o trabalho e a produção (com receio da burguesia que temia perder poder);
Em 1927, foi elaborada a Carta do Trabalho, regulando as relações trabalhistas no país e garantindo a representação separada de patrões e empregados;
Em 1934, Mussolini criou 22 Corporações, em que patrões e funcionários dos sindicatos fascistas atuavam juntos. Havia também um terço de representantes do Estado para somar seu voto ao dos patrões (estratégia de Mussolini que dava a impressão de aproximar patrão e empregado);
O trabalho foi considerado como dever social e o direito de greve foi abolido e considerado crime contra a organização corporativa estatal.
Embora inegável as vantagens apresentadas pelo corporativismo orgânico, no campo da economia, certo é que o regime político fascista foi  cruel e violento, como todas as ditaduras.
Adotou a violência como método de governo.

NAZISMO – NACIONAL-SOCIALISMO
O nacional-socialismo afirma que a origem de todo o Direito e poder reside na própria comunidade, mas o povo não se autogovernava, então era guiado por um guia, um condutor. O Estado nacional-socialista, não é individualista, porque mais essencial que o indivíduo é a comunidade total.
O principal instituto de direito público deles é a Führung, é dele que provém a expressão Führer  que significa chefe. Führung - trata-se de um princípio de liderança, de condução da comunidade.
O poder Führung é:
Originário – porque não foi conferido pelo povo nem por qualquer autoridade.
Autônomo – porque o Führer não se submete a nenhuma autoridade, nem mesmo a autoridade da lei.
Autoritário – suas decisões não sofrem oposição, seja pelas vias de fato ou de direito
Características
·         Nacionalismo: proteção dos símbolos nacionais e dignificação da história alemã.
·         Depuração da nacionalidade, com uma Alemanha isenta da influência dos não arianos;
·         Cerceamento (cortar, restringir) da liberdade civil: pois trata-se de um regime autoritário;
·         Uni partidarismo: Hitler assumiu o governo e investido de poderes ditatoriais extingui partidos políticos e dissolveu os grupos nacionais considerados por ele perigosos.
·         Economia totalmente vinculada ao Estado, quem cometesse crime contra a economia seria punido com pena de morte.

Postar um comentário