O que é a Moeda-Papel?


Com a evolução do metalismo, desponta embrionariamente os sistemas bancários, responsável pelo surgimento da moeda-papel.
Aparece, então, a Casa da Custódia, constituída de estabelecimentos semelhantes a armazéns de depósitos onde os proprietários de moedas as guardavam. Funcionavam do seguinte modo:
1.     Os proprietários de moedas as deixavam na casa de custódia;
2.     Os metais eram conferidos e identificados;
3.     A casa fornecia um certificado de depósito;
4.     Sempre que necessitava de metais (moedas) o proprietário delas apresentava o certificado e as recebia de volta – todas ou parte delas.
5.     Com o tempo, os donos das casas perceberam que as moedas tinham o mesmo valor intrínseco e passaram a devolver não necessariamente as moedas do mesmo dono;
6.     A coletividade percebeu que o que movimentava as moedas era o certificado de depósito;
7.     O certificado passa a ser o instrumento de troca e é chamado moeda-papel.

Com o passar do tempo, as casas de custódia transformaram-se e Casas Bancárias, podendo, dentro de seus limites de estoque de metais, conceder empréstimos, descontar títulos, etc.
Assim, produtores e comerciantes obtinham crédito para expandir seus negócios, enquanto banqueiros, na condição de intermediários entre cedentes e tomadores, beneficiavam-se de receitas.
Os problemas oriundos desse sistema são:
1.     Para cada depósito havia um ou mais certificados;
2.     A moeda estocada era o lastro financeiro – depósito em ouro que serve de garantia ao papel-moeda;
3.     Os riscos eram altos caso os proprietários das moedas as requeressem simultaneamente;
4.     Ocorreria descrédito geral e o sistema ruiria.
Com o passar dos anos e consolidando-se as estruturas econômicas dos países, os governos, para controlar o sistema bancário, cria suas instituições bancárias oficiais.
Com isso, as moedas metálicas e os certificados saem de circulação e cada nação cria a sua própria moeda manual, denominada papel-moeda. O lastro desse novo sistema é o tesouro nacional, as garantias são dadas pelas autoridades monetárias do país e o lastro é o sistema econômico.
Ressalte-se que as Moedas Fiduciárias (de fidúcia, confiança) são aquelas que circulam sem lastro metálico, apenas por força de lei. Por último, frisamos que o curso forçado é a aceitação que a moeda tem pela coletividade, também por força de lei.

Postar um comentário