A EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ECONÔMICO: DAVID RICARDO E OUTROS



David Ricardo: Discutiu com maior profundidade os problemas relacionados com o Comércio Exterior. Elaborou a Teoria dos Custos Comparativos. Ricardo defendia a existência de uma relação entre os bens e serviços produzidos pelos diversos países. Assim, algumas nações conseguiriam produzir a custos menores e, portanto, as outras nações adquiririam estes bens e serviços e não se preocupariam em construí-los. Em síntese: a custos comparativos questionava-se se era melhor um país produzir ou adquirir de outrem. Ele também estudou o Sistema Tributário da época – responsável pela ascensão da economia que, do campo doméstico, passou para a área cientifica – apresentando novos desenvolvimentos em torno dos Juros, do lucro, dos salários e o valor das repartições das riquezas. Por fim, desenvolveu a teoria sobre a produtividade da terra.
John Stuart Mill: Seu trabalho mais influente foi Princípios da Economia Política, onde conseguiu ordenar corretamente a teoria clássica. Elaborou também , na esfera do comércio exterior, a Teoria da Demanda Recíproca. Ele mostrou que a amplitude das trocas internacionais não dependeria apenas das vantagens resultantes da Especialização, como advogava Smith, mas da Elasticidade da Procura de determinado país. Assim, a translação não dependeria apenas dos diferenciais de custos comparativos, mas da procura de um bem de uma nação por outra.

Jean Baptiste Say: Seu maior legado foi popularizar a Lei de Say: “A oferta cria a sua própria demanda”, isto é, o aumento da produção transformar-se-ia em renda dos trabalhadores, a qual seria gasta na aquisição de outras mercadorias e serviços.
Thomas Malthus: Sistematizou a teoria geral acerca da população: “O crescimento da população depende, rigidamente, da oferta de alimentos”. Esta teoria ficou conhecida como teoria populacional pessimista. Para Malthus, o excesso populacional era a causa de todos os males da época.
Enquanto a população crescia em progressão geométrica (2, 4, 8...), a oferta de alimentos cresce em ordem aritmética (1, 2, 3...). A fim de aliviar o problema, Thomas defendia:
a.     Adiamento de casamentos;
b.     Limitação voluntária de nascimentos;
c.     Aceitava guerras como instrumento de controle demográfico.

No entanto, Malthus não previu:
1.     O ritmo e o impacto do progresso tecnológico;
2.     Técnicas de limitação da fertilidade humana.

Postar um comentário